Páginas

Translate

sábado, 6 de dezembro de 2008

Coisas Chegam, Coisas Partem


Coisas Chegam, Coisas Partem
O que dizer do ano que se despede de nós?
Das coisas que partem:
Lembranças, saudades, insucessos...
Um livro cheio de histórias lidas?
Algumas páginas amassadas.
Outras manchadas de café.
Linhas sublinhadas...
A água da enxurrada que invadiu a casa.
O que é que passa?
A lágrima que seguramos para não cair?
As folhas do calendário velho?
Palavras sussurradas ao pé do ouvido?



O que esperar do ano que aponta logo ali?
Das coisas que chegam:
Vazios, promessas, entradas...
Um livro sem tempestades?
Um rascunho de incertezas?
Um monte de páginas brancas?
Um envelope a ser preenchido.
Um caderno sem pauta.
As mudanças de estação.
Os planos dos namorados.
As viagens e as trilhas.
Miragens montanhas.
Paisagens de ondas.


Umas coisas partem, outras chegam...----------------------------------------------------------------------------


Ninfa Parreiras

(foto: arquivo pessoal, Papagaio, MG, primavera, 2008)

SOBRECORES


SOBRECORESVerde a tarde
Verde a folha
Ver-te
Verter a dor
Em manhã
Amanhecer
Verde a noite
Verde a ponte
Ver-te
Verter a saudade
Em canto
Encanto
Verde o olhar
Verde a lagarta
Ver-te
Verde o amor
Verde a espera
Ver-te.
Ninfa Parreiras

(foto: arquivo pessoal, Papagaio, primavera, 2008)

Além da Janela


ALÉM DA JANELA


Janela que abre e fecha
Recebe o vento
A nuvem de pó
A poeira migalha
A carta tão só.


Janela que abre e fecha
Mal me quer
Bem me quer
Quem te quer?
Dias despetalados.

Janela que abre e fecha
Conta uma história de lá
Das ondas de saudades
Morros de olhares
Selvas de estrelas.

Janela que abre e fecha
Guarda o som
A memória
A palavra
O desejo.


Janela que abre e fecha
Deixa aberto meu braço
Pra receber o verão
Abraçar as teclas das estradas
Ensaiar a banda do coração.


Ninfa Parreiras
(foto: arquivo pessoal, Papagaio, MG, primavera, 2008)



Bordado


BORDADO

Eram poucas cores
Na primeira vez
Poucos risos seus
Um só rio meu
Um olhar curioso
Daqui e daí
Algumas dúvidas
Desejos silenciosos

As luas se passaram
As enxurradas emocionadas
O sol secou poças amarguradas
Surgiram cores novas
Limpas e claras
Sorrisos abraçados
Mãos sorridentes
Brilhos nas folhas
A chuva abriu um ano

Novo em nove
No toque seu meu
No nosso olhar
Derramou gota a gota
Tempestades de amor
De alegrias tecidas
De palavras sussurradas

O bordado é nosso

Pra forrar seu aniversário
Das coisas mais gostosas
De estrelas que piscam
De cantos de aves
De páginas cheias
De palavras de amor
E de felicidades.
Ninfa Parreiras

(foto: arquivo pessoal, Papagaio, MG, primavera, 2008)

Abra e entre


Abra e Entre

As tardes não fecham a porta do dia
As tardes abrem as janelas da noite
As tardes inauguram a certeza da luz.

Não é tarde
Abra e entre.

O poente é uma porta entreaberta
O poente põe a sorte
O poente distrai a morte.

Não é tarde
Abra e entre.

ninfa parreiras

------------------------------------------------------------------------
(foto: arquivo pessoal, Papagaio, MG, primavera, 2008)